Logo

Conteudo Principal do Site

Esportes

Assista aos Vídeos

História do Lançamento de Dardo

História do Lançamento de Dardo

O atletismo é um esporte pouco trabalhado na maioria das escolas, durante as aulas de Educação Física. Em pesquisa realizada por Silva (2005) observou-se que um dos maiores motivos apontados pelos professores de Educação Física para que isso ocorra, é a falta de infra-estrutura das escolas.

Entretanto, é preciso salientar o fato de que, na maioria das vezes, o atletismo é visto apenas como um esporte de alto rendimento, que possui regras rígidas, muitas normas a serem seguidas e movimentos técnicos precisos que comprometem, muitas vezes, a participação de alguns alunos, sobretudo daqueles vistos como “menos habilidosos” por parte de alguns professores de Educação Física que, numa atitude preconceituosa, se esquecem do real significado de educar (Silva, 2005).

A história do atletismo é, sem dúvida, um dos aspectos que merecem ser conhecidos, sobretudo em aulas de Educação Física. Nesse sentido, a história de cada uma de suas provas – dentre as quais, o lançamento do dardo – deveriam integrar o plano de atividade dos professores dessa área.

Ainda que pouco conhecida, a história do lançamento do dardo, por exemplo, revela ser essa uma prova muito antiga. Oriunda de atividades que em outros tempos estiveram vinculadas à guerra e à caça, utilizada como arma de combate, o lançamento do dardo foi, pouco a pouco, se tornando uma prova esportiva.

Sabe-se, por exemplo, que a prova de lançamento do dardo era praticada por meio de duas diferentes modalidades: o lançamento do dardo à distância (devendo cair em uma área delimitada) e o lançamento do dardo em um alvo predeterminado (que acontecia geralmente em cima do cavalo, e o cavaleiro deveria acertar o alvo a partir de um ponto ou uma distância).

A prova é uma das mais antigas do atletismo, sendo disputada inclusive nos Jogos Olímpicos da Grécia Antiga. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho consiste em revelar o contexto histórico do lançamento do dardo, contribuindo subsídios para o seu ensino na escola, em aulas de Educação Física.

Por meio delas será possível observar, por exemplo, as mudanças na estrutura da prova as quais interferiram, sobretudo, na melhora dos resultados das competições.

Assim, é proposto o ensino do lançamento do dardo a partir de sua história, direcionado ao trabalho do professor de Educação Física, visto que são raros os trabalhos de pesquisa referentes à sua origem e modificações, principalmente, no âmbito escolar.

OBJETIVO

Este trabalho tem como objetivo resgatar a história do lançamento do dardo como subsídio para o seu ensino na escola, onde deveria ser trabalhada como parte do conteúdo de atletismo a ser desenvolvido em aulas de Educação Física.

METODOLOGIA

Com base em pesquisa bibliográfica, pautada em livros e artigos de diferentes acervos, bem como de informações veiculadas por web sites nacionais e internacionais, procuraremos reunir os principais dados acerca da história do lançamento do dardo, organizando um material capaz de contribuir com o ensino desse conteúdo em aulas de Educação Física.

RESULTADOS

Por meio da guerra e da caça, na Antiguidade, surgiu-se a idéia da prova do lançamento do dardo, que mais tarde tornou-se uma prova de lançamento do dardo à distância, com um alvo predeterminado como objetivo principal. Parte integrante da prova do pentatlo nos Jogos Olímpicos da Antiguidade, o lançamento do dardo à distância foi incorporado à programação do atletismo masculino e feminino, nos Jogos Olímpicos da Era Moderna.

História do História do Lançamento de Dardo
Fig. 01: Lançamento do dardo em um alvo predeterminado

Mais precisamente identificamos que o lançamento do dardo masculino foi disputado, pela primeira vez, nos Jogos Olímpicos de Londres em 1908, em que o primeiro campeão foi Eric Lemming, da Suécia.

O lançamento do dardo feminino estreou nos Jogos Olímpicos de Verão de 1932, em Los Angeles, tendo como primeira campeã olímpica Babe Didrikson, dos EUA. O implemento utilizado nesta prova era de madeira e seu tamanho era de aproximadamente da altura de um homem, com uma ponta em sua extremidade.

Na Era Moderna, o lançamento do dardo surgiu pela primeira vez nos Jogos Olímpicos de Londres, em 1908, quando o primeiro campeão foi Eric Lemming, da Suécia. A prova femina só estreou nos Jogos Olímpicos de Verão de 1932, em Los Angeles, sendo que sua primeira campeã olímpica foi a americana Babe Didrikson, com a marca de 43 metros e 68 centímetros.

História do História do Lançamento de Dardo
Fig. 02: Eric Lemming antes da prova do lançamento do dardo.

História do História do Lançamento de Dardo
Fig. 03: Babe Didrikson na prova do lançamento do dardo.

A principal diferença entre o dardo utilizado na Grécia Antiga e o dardo moderno era a ankýle (ancile), uma tira de couro que formava um laço, atado no centro de gravidade do dardo, auxiliando a segurá-lo, conforme ilustra a figura abaixo:

História do História do Lançamento de Dardo
Fig. 04: Imagem da Ankýle (ancile)

Depois de várias modificações, o dardo passou a ser composto por três partes, a saber: cabeça, corpo e empunhadura, conforme a seguinte ilustração:

História do História do Lançamento de Dardo
Fig. 05: Dardos oficiais em carbono ou aço para treinamento.

O atual detentor do recorde olímpico masculino é o ex-atleta tcheco Jan Zelezny, com a marca de 98,48 metros, atingida em 1996, além de ser, também, o detentor do recorde olímpico, conquistado nos Jogos Olímpicos de Sydney de 2000, com a distância de 90,17 metros. Zelezny conseguiu, 52 lançamentos de mais de 90 metros, ao longo de sua carreira.

 

História do História do Lançamento de Dardo
Fig. 06: Jan Zelezny durante o lançamento do dardo

Já a atual recordista mundial feminina é a também tcheca, Barbora Spotáková, com a marca de 72,28 metros, alcançada em 2007. Entretanto, a atual detentora do recorde olímpico, é a norueguesa Trine Hattestad, que, em 2000, atingiu a distância de 68,91 metros.

Esses, entre outros dados, integram a história da prova do lançamento do dardo, a qual, certamente, merece ser conhecida e trabalhada em aulas de Educação Física.

História do História do Lançamento de Dardo
Fig. 07: A atleta Barbora Spotáková, detentora do recorde mundial

História do História do Lançamento de Dardo
Fig. 08: A atleta Trine Hattestad, detentora do recorde olímpico.

CONSIDERAÇÕES FINAI

Com base no resgate da história do lançamento do dardo procuramos realçar algumas de suas modificações técnicas e estruturais ao longo dos anos. Com isso, esperamos subsidiar o trabalho do professor de Educação Física em suas aulas, fornecendo-lhe um registro acerca do desenvolvimento dessa prova, auxiliando-o a ensinar o atletismo a partir de sua história.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO: REGRAS OFICIAIS DE ATLETISMO
2004-2005, Rio de Janeiro: Sprint 2004
GOOGLE IMAGENS. Eric Lemming Disponível em:
http://72.img.v4.skyrock.com/72e/athleteslegende/pics/326308406_small.jpg Acesso em:
24/08/2009.
GOOGLE IMAGENS. Babe Didrikson Disponível em:
http://www.cbc.ca/gfx/images/sports/photos/2008/05/06/1932_didrickson.jpg Acesso em:
25/08/2009.
GOOGLE IMAGENS. Dardo Disponível em: http://www.aesportiva.com.br/catalogo/imagens/1-
cat-08-atletismo%5CA-5-dardos-G.jpg Acesso em: 31/03/2009.
GOOGLE IMAGENS. Jan Zelezny Disponível em:
http://www.spikesmag.com/Images/460x260_Jan%20Zelezny_200904151158.jpg Acesso em
25/08/2009.
GOOGLE IMAGENS. Barbora Spotáková Disponível em:
http://www.team75plus.com/vvfiles/d/dcb19ea12f10330a9c61629177d7e867.jpg Acesso em
26/08/2009.
GOOGLE IMAGENS. Trine Hattestad Disponível em:
http://www.vg.no/images/2000/9/30/970312375.jpg Acesso em 26/08/2009.
SILVA, A.C.L. O atletismo em aulas de Educação Física: pesquisa com professores da Rede
Pública de Rio Claro. 2005. 67f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação
Física) – Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.
WIKIPEDIA. Jan Zelezny. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Jan_Zelezny Acesso em:
24/08/2009.
WIKIPEDIA. Lançamento do Dardo Disponível em:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Lan%C3%A7amento_do_dardo Acesso em: 11/08/2008
YALOURUS, N. Os jogos olímpicos na Grécia Antiga. Atenas: Ekdotike Athenon S.A., s.d., 2004

Fonte: prope.unesp.br

História do História do Lançamento de Dardo

O LANÇAMENTO DO DARDO

A história do lançamento do dardo, pode ter sua origem na pré-história. Empregado, inicialmente na caça e, posteriormente na guerra, como arma de combate.

É uma das provas mais antigas do atletismo, sendo disputada nos Jogos Olímpicos da Velha Grécia.

Nos Jogos Olímpicos da era moderna, a primeira menção que se tem do dardo data de 1886, quando o sueco A. Wiger estabeleceu o primeiro recorde mundial, com a marca de 33.81 metros.

Como esporte internacional seu aparecimento se verificou em 1906, durante os Jogos Olímpicos de Atenas, onde outro sueco, Eric Kleinning, saiu vencedor, com 53,89 metros.

Dentro deste predomínio passou para os finlandeses, com o surgimento de verdadeiros campeões, como Eino Pentila e Matti Jarvineu.

Bud Helder foi o primeiro norte americano a estabelecer um recorde mundial, em 1953, com 80,41 metros.

Ele e seu irmão Dicck em 1952 desenharam um dardo com 27% de comprimento a mais, com relação ao sueco, o qual dava um maior deslizamento.

O vencedor olímpico de 1976, húngaro M. Nemeth, obteve a marca de 94,58 metros (notável em relação aos primeiros recordes) após a normalização do dardo.

Hoje também os soviéticos se destacam, além dos americanos. Tanto isto é verdade que o dardo foi lançado por um russo há mais de 104,00 metros, um feito realmente fantástico ainda mais considerando-se que marca dos 100 metros não seria atingida ainda neste século.

Isto porém trouxe um problema: o perigo que o dardo poderia oferecer, devido a demanda de espaço cada vez mais crescente.

Desta forma, um novo dardo foi desenhado com uma aerodinâmica que lhe permite descer mais rápido, atingindo obviamente uma distância menor com relação ao antigo.

Fonte: adect2.no.sapo.pt

História do Lançamento de Dardo

Histórico das Provas

Lançamento do Dardo – Masculino

O lançamento do dardo é a prova atlética com a conotação mais direta com o dia-a-dia dos tempos antigos, já que derivava sem dúvida do seu uso para caçar ou para guerrear.

Píndaro conta-nos que o lendário herói Aquiles (da Ilíada de Homero) era um excelente lançador de dardo.

Tal como o disco, o dardo não era um evento isolado, pois fazia parte do Pentatlo, e deve ter feito a sua aparição nos jogos Antigos provavelmente por volta da 18ª Olimpíada i. e. em 708 a.C.

Faz parte do Programa Olímpico Moderno desde 1908, e tem-se caracterizado pela superioridade dos atletas da Escandinávia, principalmente os finlandeses.

Assim, a primeira marca registrada pertence a Adolf Wigert, da Suécia, com 35,81m em 1886, e o primeiro recorde da IAAF ao seu compatriota Eric Lemming, que em Estocolmo, em 29 de setembro de 1912, marcou 62,32.

No Brasil, o primeiro recorde reconhecido foi do atleta WILLY SEEWALD, vencedor do I Campeonato Brasileiro em 1925, com a marca de 54.11.

Fonte: www.cbat.org.br

História do História do Lançamento de Dardo

O LANÇAMENTO DO DARDO

A história do lançamento do dardo, pode ter sua origem na pré-história. Empregado, inicialmente na caça e, posteriormente na guerra, como arma de combate.

É uma das provas mais antigas do atletismo, sendo disputada nos Jogos Olímpicos da Velha Grécia.

Nos Jogos Olímpicos da era moderna, a primeira menção que se tem do dardo data de 1886, quando o sueco A. Wiger estabeleceu o primeiro recorde mundial, com a marca de 33.81 metros.

Como esporte internacional seu aparecimento se verificou em 1906, durante os Jogos Olímpicos de Atenas, onde outro sueco, Eric Kleinning, saiu vencedor, com 53,89 metros.

Dentro deste predomínio passou para os finlandeses, com o surgimento de verdadeiros campeões, como Eino Pentila e Matti Jarvineu.

Bud Helder foi o primeiro norte americano a estabelecer um recorde mundial, em 1953, com 80,41 metros.

Ele e seu irmão Dicck em 1952 desenharam um dardo com 27% de comprimento a mais, com relação ao sueco, o qual dava um maior deslizamento.

O vencedor olímpico de 1976, húngaro M. Nemeth, obteve a marca de 94,58 metros (notável em relação aos primeiros recordes) após a normalização do dardo.

Hoje também os soviéticos se destacam, além dos americanos. Tanto isto é verdade que o dardo foi lançado por um russo há mais de 104,00 metros, um feito realmente fantástico ainda mais considerando-se que marca dos 100 metros não seria atingida ainda neste século.

Isto porém trouxe um problema: o perigo que o dardo poderia oferecer, devido a demanda de espaço cada vez mais crescente.

Desta forma, um novo dardo foi desenhado com uma aerodinâmica que lhe permite descer mais rápido, atingindo obviamente uma distância menor com relação ao antigo.

A TÉCNICA DO LANÇAMENTO DO DARDO

Como nas demais provas de campo, a ação total do arremesso deve ser realizada como uma só unidade, que precisa ser ensinada o mais cedo possível. Não obstante, a natureza do arremesso admite que se enfoque passo por passo, o que permite ganhar tempo. Os detalhes do método podem ser divididos em fases técnicas e descritas da seguinte maneira.

A) EMPUNHADURA: A empunhadura ou pega, é a maneira correta de segurar o dardo.

É feita na extremidade posterior do encordoamento, o que possibilita no lançamento uma transposição favorável da força atrás do centro de gravidade, enquanto que dos dedos encontraram uma melhor resistência e apoio.

Existe três tipos de empunhaduras mais comuns:

1 – Finlandesas, nesta, o polegar e as duas primeiras articulações do dedo médio encontram-se atrás do encordoamento. O indicador fica estendido ao longo do dardo, na sua parte de baixo.

História do História do Lançamento de Dardo

2 - Empunhadura Americana, o polegar e o indicador é que pressionam o dardo, atrás do encordoamento, enquanto que os demais dedos o envolvem.

História do História do Lançamento de Dardo

3 – Empunhadura em “V” ou tenaz, onde o dardo é seguro entre o dedo indicador o médio

História do História do Lançamento de Dardo

B) CORRIDA DE APROXIMAÇÃO: A 1ª parte, chamada de corrida de aproximação, abrange cerca de 2/3 da distância total, é uma corrida de aceleração progressiva e retilínea, que vai levar o atleta a uma velocidade ótima. Pode ter, conforme o atleta, de 7 a 13 passos: O dardo é transportado à altura da testa, não importando se a ponta está um pouco para cima ou para baixo. Este não é fixado na perpendicular ao eixo dos ombros, mas sim com a ponta voltada um pouco para dentro, o que permite um recuo em linha reta com maior facilidade.

O braço de lançamento move-se pouco, enquanto que o livre, trabalha ao ritmo da corrida.

História do História do Lançamento de Dardo

História do Lançamento de Dardo

C) CORRIDA PREPARATÓRIA: Ao atingir a marca intermediária, inicia-se a segunda parte da corrida, que podemos chamar de corrida preparatória (Fig. 10b). Esta parte da corrida é de fundamental importância, porque é dela que depende o maior ou menor sucesso do lançamento, no aspecto técnico.

Dos ritmos de passadas conhecidas nesta fase (três, cinco ou sete) vamos adotar o segundo, por ser o mais empregado. O início é delimitado pela marca intermediária, a qual é alcançada pela perna esquerda (para os atletas destros, o ritmo das cinco passadas é o seguinte: esquerda-direito-esquerda-direito-esquerda e lançamento).

História do História do Lançamento de Dardo

Esta fase é a preparação para o arremesso propriamente dito e compreende:

1 – O recuo do implemento.

O dardo inicia seu recuo logo após o atleta atingir a marca intermediária para se completar no terceiro passo. – Isto deve acontecer gradativamente e durante esse tempo, o tronco executa uma rotação para a direita, sendo que o braço é levado atrás em alinhamento com o eixo dos ombros.

A palma da mão encontra-se voltada para cima, no prolongamento do Figura. 10antebraço. A corrida mantém-se no seu alinhamento, sendo que as pernas e o quadril continuam voltados para a direção da corrida, o braço esquerdo acompanhando a rotação do tronco, vai para a frente do peito, ligeiramente flexionado. (Figura 10b a 10e).

2 – O passo impulsor

Segundo as técnicas mais modernas, é necessário que o quarto passo seja rápido e ativo, porém rasante. A perna esquerda impele o :corpo de modo rasante na execução do quarto passo, evitando que o centro de gravidade se eleve durante o contanto do pé direito, cuja perna é flexionada, ao receber o peso do corpo.

Agora sim, o eixo dos quadris e o pé direito giram para o lado direito acompanhando a rotação do tronco, já existente. É o chamado passo cruzado, seguido de um apoio dos pés, com a perna esquerda à frente, terminando assim a corrida e formando a nova fase técnica que passamos a ver em seguida. (Figura 10f e 10g).

D) POSIÇÃO DE LANÇAMENTO: A posição de lançamento verifica-se no momento em que ambas as pernas fizeram o contato com o solo, brecando a corrida, o peso do corpo recai sobre a perna direita flexionada e o tronco inclinado para trás.

O pé esquerdo toca o solo, primeiro com o calcanhar, alguns centímetros para a esquerda da linha de direção do lançamento, com sua ponta ligeiramente voltada para dentro ou para frente.

O braço direito e o dardo não mudam de posição durante o passo impulsor nem durante a posição de lançamento. Nesta fase, é importante que a mão esteja perfeitamente no prolongamento do antebraço e não poderá haver flexão absolutamente nenhuma do pulso. (Figura 10g).

E) LANÇAMENTO PROPRIAMENTE DITO: O lançamento começa com uma extensão para a frente e para cima da perna direita, pelas articulações do tornozelo e do joelho, conduzindo à frente o lado direito do quadril, enquanto que a perna esquerda, um pouco fletida, assentada primeiramente pelo calcanhar tendo primeiro uma ação de apoio e depois de elevação, bloqueia o lado esquerdo do quadril.

Desta forma, o tronco é impelido para frente, originando a tensão em arco, através da qual é possível o emprego da força de ambas as pernas, tronco e braço de lançamento. Primeiramente, a perna de apoio é levemente fletida e em seguida, fortemente esticada (ação de apoio e alavanca).

A perna de trás desliza e no ato do lançamento, encontra-se apoiada pela ponta dos dedos, na sua lateral direita. O peso do corpo já passou da perna de trás para a perna da frente.

Quando o braço lançador começa a atuar, é levantamento a nível da cabeça, apontado no sentido do lançamento, palma da mão para cima. Nesta altura o braço e antebraço estão em ângulo reto e o dardo já sofreu a ação dos quadris e da rotação do tronco.

Exatamente no momento em que o lado direito do corpo ultrapassa o esquerdo, o braço esquerdo que se encontra fletido na altura do peito, tem o seu movimento para trás bloqueado.

O lançamento tem lugar mais ou menos de saída de 31º a 36º. (Figura 10g a 10j)

F) REVERSÃO: Não tem influência direta no resultado do lançamento.

Sua finalidade é brecar a velocidade do atleta e recuperar o equilíbrio, impedindo que ele transponha o limite regulamentar. Consiste depois de soltar o dardo, como num salto, inverter a posição das pernas, sendo que o pé direito deve assentar transversalmente à direção do lançamento, com a perna fletida.

O tronco deve inclinar-se para adiante, o que causará o abaixamento do centro de gravidade. A perna esquerda deve ser levantada e puxada para trás. Para tal, é necessária uma distância de 1,5 a 2 metros do arco. (figura 10i a 10m).

CARACTERÍSTICAS DO LANÇADOR DE DARDO

Enquanto que o arremessador de peso necessita de força máxima, o lançador de dardo precisa, principalmente de desenvolver a força explosiva (força rápida). Ela é a qualidade física fundamental, decisiva para a eficácia do atleta nesta prova. A velocidade de um especialista do dardo é importante, mas não pode ser avaliada exclusivamente nos 100 metros rasos.

O que determina o resultado é a capacidade do atleta acelerar nos primeiros 30 metros e obter a velocidade ótima. A agilidade, importante em todas as provas de lançamento, mas no dardo e no martelo, é maior.

Como a primeira parte da corrida é um movimento cíclico e a segunda (ritmo dos cinco passos) é acíclica, há modificação do ritmo, o que exige do atleta um alto grau de agilidade.

No lançamento do dardo, a mobilidade é a capacidade de utilizar completamente os movimentos de articulações dos quadris e dos ombros. Das provas de lançamento, os especialistas do lançamento do dardo, são os mais leves.

A estatura também é menor, porém todos estes atletas são dotados de velocidade na aplicação da força e com boa agilidade e mobilidade. São estes atletas possuidores destas características físicas os que têm conseguido resultados de nível mundial. O quadro abaixo mostra os valores médios de idade, estatura e peso dos seis melhores atletas do dardo, nos Jogos Olímpicos de 1972.

História do História do Lançamento de Dardo

Fonte: adect2.no.sapo.pt

História do Lançamento de Dardo

História do História do Lançamento de Dardo

A modalidade é praticada pelos heróis da mitologia grega e foi originária do uso de lanças por soldados.

As competições de lançamento de dardo eram divididas em dois eventos.

O primeiro era o "ekebolon", em que os juízes avaliavam a distância alcançada pelo arremesso.

A segunda, o "stochastikon", era um arremesso de dardo em que o objetivo era atingir um alvo determinado.

Atualmente, nas provas de atletismo de campo é realizado apenas o primeiro evento, que mede a distância.

Fonte: olimpiadas.uol.com.br

História do Lançamento de Dardo

Histórico das Provas

Lançamento do Dardo – Masculino

O lançamento do dardo é a prova atlética com a conotação mais direta com o dia-a-dia dos tempos antigos, já que derivava sem dúvida do seu uso para caçar ou para guerrear.

Píndaro conta-nos que o lendário herói Aquiles (da Ilíada de Homero) era um excelente lançador de dardo.

Tal como o disco, o dardo não era um evento isolado, pois fazia parte do Pentatlo, e deve ter feito a sua aparição nos jogos Antigos provavelmente por volta da 18ª Olimpíada i. e. em 708 a.C.

Faz parte do Programa Olímpico Moderno desde 1908, e tem-se caracterizado pela superioridade dos atletas da Escandinávia, principalmente os finlandeses.

Assim, a primeira marca registrada pertence a Adolf Wigert, da Suécia, com 35,81m em 1886, e o primeiro recorde da IAAF ao seu compatriota Eric Lemming, que em Estocolmo, em 29 de setembro de 1912, marcou 62,32.

No Brasil, o primeiro recorde reconhecido foi do atleta WILLY SEEWALD, vencedor do I Campeonato Brasileiro em 1925, com a marca de 54.11.

Fonte: www.cbat.org.br

História do História do Lançamento de Dardo

O LANÇAMENTO DO DARDO

A história do lançamento do dardo, pode ter sua origem na pré-história. Empregado, inicialmente na caça e, posteriormente na guerra, como arma de combate.

É uma das provas mais antigas do atletismo, sendo disputada nos Jogos Olímpicos da Velha Grécia.

Nos Jogos Olímpicos da era moderna, a primeira menção que se tem do dardo data de 1886, quando o sueco A. Wiger estabeleceu o primeiro recorde mundial, com a marca de 33.81 metros.

Como esporte internacional seu aparecimento se verificou em 1906, durante os Jogos Olímpicos de Atenas, onde outro sueco, Eric Kleinning, saiu vencedor, com 53,89 metros.

Dentro deste predomínio passou para os finlandeses, com o surgimento de verdadeiros campeões, como Eino Pentila e Matti Jarvineu.

Bud Helder foi o primeiro norte americano a estabelecer um recorde mundial, em 1953, com 80,41 metros.

Ele e seu irmão Dicck em 1952 desenharam um dardo com 27% de comprimento a mais, com relação ao sueco, o qual dava um maior deslizamento.

O vencedor olímpico de 1976, húngaro M. Nemeth, obteve a marca de 94,58 metros (notável em relação aos primeiros recordes) após a normalização do dardo.

Hoje também os soviéticos se destacam, além dos americanos. Tanto isto é verdade que o dardo foi lançado por um russo há mais de 104,00 metros, um feito realmente fantástico ainda mais considerando-se que marca dos 100 metros não seria atingida ainda neste século.

Isto porém trouxe um problema: o perigo que o dardo poderia oferecer, devido a demanda de espaço cada vez mais crescente.

Desta forma, um novo dardo foi desenhado com uma aerodinâmica que lhe permite descer mais rápido, atingindo obviamente uma distância menor com relação ao antigo.

A TÉCNICA DO LANÇAMENTO DO DARDO

Como nas demais provas de campo, a ação total do arremesso deve ser realizada como uma só unidade, que precisa ser ensinada o mais cedo possível. Não obstante, a natureza do arremesso admite que se enfoque passo por passo, o que permite ganhar tempo. Os detalhes do método podem ser divididos em fases técnicas e descritas da seguinte maneira.

A) EMPUNHADURA: A empunhadura ou pega, é a maneira correta de segurar o dardo.

É feita na extremidade posterior do encordoamento, o que possibilita no lançamento uma transposição favorável da força atrás do centro de gravidade, enquanto que dos dedos encontraram uma melhor resistência e apoio.

Existe três tipos de empunhaduras mais comuns:

1 – Finlandesas, nesta, o polegar e as duas primeiras articulações do dedo médio encontram-se atrás do encordoamento. O indicador fica estendido ao longo do dardo, na sua parte de baixo.

História do História do Lançamento de Dardo

2 - Empunhadura Americana, o polegar e o indicador é que pressionam o dardo, atrás do encordoamento, enquanto que os demais dedos o envolvem.

História do História do Lançamento de Dardo

3 – Empunhadura em “V” ou tenaz, onde o dardo é seguro entre o dedo indicador o médio

História do História do Lançamento de Dardo

B) CORRIDA DE APROXIMAÇÃO: A 1ª parte, chamada de corrida de aproximação, abrange cerca de 2/3 da distância total, é uma corrida de aceleração progressiva e retilínea, que vai levar o atleta a uma velocidade ótima. Pode ter, conforme o atleta, de 7 a 13 passos: O dardo é transportado à altura da testa, não importando se a ponta está um pouco para cima ou para baixo. Este não é fixado na perpendicular ao eixo dos ombros, mas sim com a ponta voltada um pouco para dentro, o que permite um recuo em linha reta com maior facilidade.

O braço de lançamento move-se pouco, enquanto que o livre, trabalha ao ritmo da corrida.

História do História do Lançamento de Dardo




Eu achei - www.euachei.com.br - s139 consultoria