Logo

Conteudo Principal do Site

Corpo Humano

Encéfalo






clique para ampliar

Porção do sistema nervoso contida dentro do crânio e que compreende o cérebro, cerebelo, a protuberância e o bulbo raquidiano.

Nosso sistema nervoso central divide-se em duas partes:Encéfalo - situado no crânio e formado pelos seguintes órgãos: cérebro, cerebelo, ponte ou protuberância e bulboMedula espinhal tebral - localizada no canal vertebral.O encéfalo e a medula formam o sistema nervoso central

Fonte: www.corpohumano.hpg.ig.com.br

ENCÉFALO


clique para ampliar

O encéfalo se aloja no interior do crânio, e a medula espinal no interior de um canal existente na coluna vertebral. O encéfalo e a medula são formados por células da glia, por corpos celulares de neurônios e por feixes de dentritos e axônios.

Sistema nervoso central – substância branca e cinzenta

A camada mais externa do encéfalo tem cor cinzenta e é formada principalmente por corpos celulares de neurônios. Já a região encefálica mais interna tem cor branca e é constituída principalmente por fibras nervosas (dentritos e axônios). A cor branca se deve a bainha de mielina que reveste as fibras.

Na medula espinal, a disposição das substâncias cinzenta e branca se inverte em relação ao encéfalo; a camada cinzenta é interna e a branca, externa.

Meninges Tanto o encéfalo como a medula espinal são protegidos por três camadas de tecido conjuntivo (as meninges). A meninge externa, mais espessa, é a dura-máter; a meninge mediana é a aracnóide; e a mais interna é a pia-máter, firmemente aderido ao encéfalo e a medula. A pia-máter contém vasos sanguíneos responsáveis pela nutrição e oxigenação das células do sistema nervoso central.

Entre a aracnóide e a pia-máter, há um espaço preenchido pelo líquido cerebrospinal ou líquido cefalorraquidiano, que também circula nas cavidades internas do encéfalo e da medula, esse líquido tem a função de amortecer os choques mecânicos do sistema nervoso central contra os ossos do crânio e da coluna vertebral.

Partes do encéfalo Suas partes fundamentais são:

Lobo olfativo Cérebro Tálamo Lobo óptico Cerebelo Bulbo raquidiano (ou medula oblonga). Fonte: www.webciencia.com

SISTEMA NERVOSO

 

ENCÉFALO

O Sistema Nervoso é uma complexa rede de células nervosas ligadas por circuitos neurais, distribuída por todo o corpo. Numa interacção perfeita com o sistema endócrino e imunológico, executa a maior parte das funções de regulação do organismo.

Distingue-se por uma parte nervosa central, formada pelo encéfalo e medula espinal.

Células Nervosas As células nervosas são as unidades estruturais do sistema nervoso. São caracterizadas por possuírem um corpo celular, numerosos prolongamentos (dentrites) e um axónio (prolongamento mais longo que as dentrites, revestido por uma bainha denominada neurilema).


clique para ampliar

As dentrites das células nervosas servem para estabelecer ligações com outras células, possibilitando a transmissão de impulsos electroquímicos – sinapses. Quanto maior o número de sinapses e quanto mais estimulado o encéfalo, mais ligações nervosas existirão e maior será a sua capacidade de crescer, transformar-se e funcionar.

Os recém-nascidos não possuem ligações nervosas, sobrevivendo graças ao bolbo raquidiano que coordena todas as funções vitais. O primeiro sinal de que foi criada uma ligação nervosa é quando o olhar da criança se fixa em algo. Com a aprendizagem de movimentos inicialmente através da imitação e, mais tarde por moto próprio, as ligações nervosas desenvolvem-se cada vez mais levando a criança a tentar fazer pequenos movimentos, como pegar em algo.

A complexidade das redes neurais depende e varia com a espécie, sendo a Humana a mais complexa, seguindo-se a dos restantes primatas.

O Encéfalo O encéfalo pode dividir-se em três porções: o encéfalo posterior, encéfalo anterior e o encéfalo médio. Do encéfalo posterior, fazem parte o bolbo raquidiano e o cerebelo. O encéfalo anterior integra o tálamo, o hipotálamo e o sistema límbico. O sistema activador reticular constitui o encéfalo médio.

Encéfalo Posterior Bolbo Raquidiano

O bolbo raquidiano é um pequeno órgão situado na cavidade occipital. Liga a medula espinal ao cerebelo e tem como funções o comando do ritmo cardíaco, respiração e pressão arterial. É também conhecido como cérebro primitivo.

Cerebelo 

O cerebelo localiza-se atrás do tronco cerebral. Constituído por dois lobos laterais unidos, controla o equilíbrio, a motricidade voluntária e a coordenação de movimentos, memorizando exercícios repetidos.

Encéfalo Anterior

TÁLAMO

O tálamo, localizado na zona central do cérebro, é constituído por uma substância cinzenta. Lá, chegam a maior parte das fibras visuais, auditivas e tácteis, retransmitidas de imediato para as respectivas áreas do córtex cerebral. É responsável pela regulação do sono e dos estados de alerta.

Hipotálamo 

É formado por núcleos. Encontra-se sob o tálamo e em ligação à hipófise. Regula a temperatura do corpo, a fome, sede, circulação sanguínea e sistema endócrino.

Sistema Límbico 

O sistema límbico é constituído pelo hipocampo, septo, amígdala e bolbo olfactivo e desempenha um papel importante nas emoções, motivações e no comportamento agressivo.

O hipocampo converte a informação da memória de trabalho em memória de longo prazo, através de impulsos eléctricos, durante o sono R.E.M. (Rapid Eyes Movement), para o que necessita de uma média de oito horas diárias de sono. A amígdala, relacionada com a memória emocional, faz a triagem de toda a informação decidindo qual a armazenar em memória de longo prazo. Para o seu bom funcionamento, é necessário o consumo mínimo de oito copos de água diários.

Encéfalo Médio

SISTEMA ACTIVADOR RETICULAR

Estende-se por todo o tronco cerebral desde o bolbo raquidiano ao tálamo. É formado por uma fina rede de nervos, cuja função é despertar diversas áreas do cérebro para que estas possam descodificar os impulsos eléctricos e atribuir a resposta correcta.3

Cérebro ou Telencéfalo 

Está dividido em dois hemisférios cerebrais bastante desenvolvidos. O hemisfério direito apreende os problemas no seu todo, não tem noção temporal, estando mais ligado ao domínio das artes (ritmo, espaço, sonhar acordado, …). O hemisfério esquerdo lida apenas com partes do problema, tem noção de tempo, lógica, números, palavras e listas. Os dois hemisférios cerebrais encontram-se ligados pelo corpo caloso. O cérebro acomoda biliões de neurónios na sua região superficial – o córtex cerebral. Este é formado a partir da união parcial da área telencefálica e dienfálica e reveste grande parte do centro medular. O cérebro possui uma grande superfície e por isso não se pode dizer que pertença a uma determinada área do encéfalo.

Medula Espinhal 
clique para ampliar

A medula espinal, ou espinal-medula, é protegida por um sistema de vértebras denominado coluna vertebral e formada por um cordão de nervos interligados, cujas funções são a condução de mensagens e a coordenação de actividades reflexas. Estas são impulsionadas por dois nervos – o sensorial e o motor.

Sistema Endócrino 
clique para ampliar

As hormonas influenciam quase todas as funções dos demais sistemas corporais e frequentemente o sistema endócrino interage com o sistema nervoso, formando mecanismos reguladores bastante precisos. O sistema nervoso fornece ao endócrino a informação sobre o meio externo, ao passo que o sistema endócrino regula a resposta interna do organismo a esta informação. Dessa forma, o sistema endócrino, juntamente com o sistema nervoso, actuam na coordenação e regulação das funções corporais.

Dá-se o nome de sistema endócrino ao conjunto de órgãos que apresentam como actividade característica a produção de secreções denominadas hormonas (é hormona uma substância que, produzida em pequenas dimensões produz grandes reacções), que são lançados na corrente sanguínea e irão actuar em outra parte do organismo, controlando ou auxiliando o controle da função. Os órgãos que têm sua função controlada e/ou regulada pelos hormonas são denominados órgãos-alvo.

Sistema Imunológico 

O sistema imunológico ou sistema imune é de grande eficiência no combate a microorganismos invasores, é responsável pela eliminação de células mortas, renovação de determinadas estruturas, rejeição de enxertos e memória imunológica. Também exclui células alteradas, que diariamente surgem no corpo, como resultado de mitoses incomuns. Essas células, se não forem destruídas, podem dar origem a neoplastia.

As células do sistema imune são muito organizadas; cada tipo de célula age de acordo com sua função.

Os recém-nascidos adquirem as suas primeiras defesas através do leite materno; quando é realizado o acto de beijar a pele do bebé, a progenitora retira os microorganismos e de imediato o seu organismo começa a produzir defesas que serão transmitidas à criança da próxima vez que lhe for administrado alimento.

Conclusão Os organismos animais são controlados pelo encéfalo e as informações enviadas por este são transmitidas para todo o corpo através de impulsos electroquímicos que se propagam nos nervos. Sistemas como o hormonal e endócrino auxiliam no controlo através de hormonas que actuam directamente em células-alvo.

Fonte: www.notapositiva.com

ENCÉFALO

Nos vertebrados, o sistema nervoso é extremamente centralizado, ou seja, os principais centros nervosos estão agrupados formando o cérebro.

Este sistema é composto por:

sistema nervoso central, constituído pelo eixo cérebro-espinal, que compreende o encéfalo e a espinal-medula e envolto pelas meninges entre as quais se encontra o líquido cefalorraquidiano;

sistema nervoso periférico constituído pelo conjunto dos gânglios e nervos cranianos e raquidianos.

SISTEMA NERVOSO CENTRAL

Encéfalo

É a parte superior dos centros nervosos; encontra-se alojado na caixa craniana.

É formado por:

cérebro cerebelo pedúnculos cerebrais protuberância anular boibo raquidiano.Cérebro É a sede da sensibilidade dos movimentos voluntários e das faculdades intelectuais, e corresponde à zona mais volumosa do encéfalo. É constítuido por duas metades, os hemisférios cerebrais, separados por um espaço, denominado fissura inter-hemisférica.

A superfície dos hemisférios cerebrais é escavada por numerosos sulcos e fissuras (mais profundas que os sulcos). Estas dividem a superfície de cada hemisfério em vários lobos, designados de acordo com os ossos do crânio que os cobrem. Os sulcos dividem cada lobo em várias circunvoluções


Visão Lateral do encéfalo, mostrando os lobos e sulcos
clique para ampliar

No interior de cada hemisfério existe uma cavidade de forma irregular denominada ventrículo lateral. Os dois hemisférios estão unidos entre si por duas "pontes" de substância branca, uma delas o corpo caloso, que constitui o fundo da fissura inter-hemisférica, a outra, o trígono cerebral, constitui o tecto do terceiro ventrículo.

O córtex cerebral é constituído por uma substância cinzenta (em média de 2 mm de espessura), e a parte interior por uma substância branca.

Cerebelo É o centro do equilíbrio e da coordenação dos movimentos voluntários e das faculdades intelectuais, correspondendo à parte do encéfalo situada na base do crânio, na região posterior do cérebro. Compreende uma parte mediana, o vérmis, e duas partes laterais, os hemisférios cerebelosos. A sua superfície apresenta circunvoluções menores, mas mais numerosas que as do cérebro. É também formado por uma substância cinzenta, no córtex, e por uma substância branca, no interior, tendo aí uma configuração ramificado.

Pedúnculos cerebrais São dois cordões brancos, largos e curtos, que ligam o cérebro à protuberância anular.

Tubérculos quadrigémeos São dois pares de elevações, dispostas na parte posterior dos pedúnculos cerebrais, colocados de um e outro lado do plano de simetria à frente do cerebelo.

Protuberância anular ou ponte de varólio É uma formação de forma cúbica compreendida entre os pedúndulos cerebrais e o bolbo raquidiano. Fica situada em frente do cerebelo, do qual está separada pelo 4º ventrículo. Este comunica pelo aqueduto de Sylvius com o 3º ventrículo, que, por sua vez, comunica pelos buracos de Monro com os ventrículos laterais.

Bolbo raquidiano Intervém nos movimentos circulatório e respiratório e, ainda na produção de secreções, correspondendo à parte inferior do encéfalo, compreendida entre a protuberância anular e a espinal. Localiza-se diante do cerebelo encontrando-se parcialmente introduzido no canal raquidiano. Na face posterior possui uma escavação, o 4º ventrículo, oculta em parte pelo cerebelo.

Hípotálamo Forma a base do 3º ventrículo e está em comunicação com o tálamo, cérebro e bolbo raquidíano. Os centros para o controlo do apetite, temperatura corporal, e equilíbrio hídrico, estão presentes no hipotálamo, e a sua principal função é a homeostasia. O hipotálamo é também o centro do prazer, do comportamento reprodutor, hostilidade e dor.

Tálamo Consiste em duas massas que estão ligados na linha médica pela massa intermediária. O tálamo é o centro de ligação dos impulsos sensoriais (excepto os impulsos olfactórios) dos receptores periféricos para as arcas sensoriais do córtex cerebral. É no tálamo que se identifica, grosseiramente, se o estímulo corresponde a dor, variação de temperatura, tacto, entre outros.

Ventrículos Existem 4 ventrículos (cavidades) no interior. Cada um dos ventrículos laterais encontra-se localizado no interior de cada hemisfério cerebral. O 3º ventrículo é uma cavidade estreita, situada abaixo dos dois primeiros ventrículos, e entre as massas do tálamo. O 4º ventrículo localiza-se entre o cerebelo e a ponte de Varólio e o bolbo raquidiano.

Espinal-medula É a parte do sistema nervoso central que ocupa o canal raquidiano. Tem a forma de um cordão com cerca de 45 cm de comprimento e 1 cm de espessura, percorrido por sulcos longitudinais, sendo dois deles mais evidentes e profundos – o sulco anterior e o sulco posterior. Ao contrário do cérebro e do cerebelo, a substância cinzenta ocupa a parte central e a substância branca a parte periférica. Um corte transversal na medula mostra que a secção da substância cinzenta tem a forma de H. Das extremidades das hastes (cornos) dessa substância saem as raízes, anteriores e posteriores, que se unem para formarem os nervos raquidianos. Cada uma das raízes posteriores apresenta um gânglio – o gânglio espinal – que se situa antes do ponto de encontro com a raiz anterior. No centro da substância cinzenta passa um finíssimo canal designado por canal do epêndimo. A parte superior da espinal-medula está relacionada com os movimentos respiratórios e a parte posterior com a sensibilidade e o movimento do corpo.

Meninges - são três membranas – dura-máter, aracnóide e pia-máter – situadas entre o eixo cerebrospinal e os ossos que o envolvem.

Dura-máter - membrana externa fibrosa, espessa e resistente, aderente ao osso.

Aracnóide - membrana intermédio constituída por inúmeros filamentos finos e entrelaçados.

Pia-máter - membrana interna fina e percorrida por numerosos vasos sanguíneos. Encontra-se em contacto directo com o eixo cerebrospinal e acompanha todas as irregularidades da sua superfície.

Líquido cefalorraquidiano – é o líquido que preenche o espaço entre as membranas aracnóide e pia-máter, encontrando-se também nas cavidades interiores do eixo cerebrospinal. Tem como função a protecção dos centros nervosos.


Face Ventral do encéfalo 
clique para ampliar


Secção Sagital do encéfalo
clique para ampliar


Cavidades internas do encéfalo 
Corte Frontal do cérebro 
clique para ampliar

Fonte: campus.fortunecity.com

ENCÉFALO


clique para ampliar

O Encéfalo encontra-se localizado no interior do crânio, protegido por um conjunto de tres membranas, que são as meninges. É constituido por um conjunto de estruturas especializadas que funcionam de forma integrada para assegurar unidade ao comportamento humano.


clique para ampliar

É formado por:

Bolbo raquidiano
Hipotálamo
Corpo caloso
Córtex cerebral
Tálamo
Formação reticular
Cerebelo
Hipofise


clique para ampliar

EVOLUÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENCÉFALO

Quanto ao nível evolutivo, podemos distinguir as seguintes unidades cerebrais:

O cérebro primitivo ou arquencéfalo, unidade cerebral responsável pela auto-preservação e agressão, é formado pelas estruturas do tronco encefálico e cerebelo, pelo mais antigo núcleo da base, o globo pálido e pelos bulbos olfatórios. Corresponde ao cérebro dos répteis, também chamado complexo-R, pelo neurocientista Paul MacLean.

O cérebro intermediário, unidade cerebral responsável pelas emoções dos velhos mamíferos, é formado pelas estruturas do sistema límbico e corresponde ao cérebro dos mamíferos inferiores.

O cérebro superior ou cérebro racional, unidade cerebral responsável pelas tarefas intelectuais dos novos mamíferos, compreende a maior parte dos hemisférios cerebrais (formado por um tipo de córtex mais recente, denominado Neocórtex) e alguns grupos neuronais sub-corticais). É o cérebro dos mamíferos superiores, aí incluindo os primatas e consequentemente, o homem moderno Homo sapiens.

Essas 3 estruturas foram aparecendo, uma após a outra, durante o desenvolvimento do embrião e do feto (ontogenia), recapitulando, cronologicamente, a evolução (filogenia) das espécies, do réptil e até do Homo sapiens. No dizer de MacLean, elas são 3 computadores biológicos que embora interconectados, conservam cada um nas palavras do cientista, "suas próprias formas peculiares de inteligência, subjetividade, sentido de tempo e espaço, memória, motricidade e outras funções menos específicas."

Fonte: www.enciclopedia.com.pt

ENCÉFALO

Fonte: www.pgr.mpf.gov.br

ENCÉFALO

Conjunto dos centros nervosos contidos na caixa craniana dos vertebrados. – O encéfalo é o principal órgão do corpo. Possui uma constituição elaborada e mais admirável do que qualquer máquina já construída. Dos olhos, ouvidos, nariz e pele, o encéfalo recebe mensagens que informam o homem a respeito do mundo que o cerca. O encéfalo também recebe um permanente fluxo de sinais de outros órgãos do corpo que o capacitam a controlar os processos vitais do indivíduo. O encéfalo controla os batimentos do coração, a fome e a sede. Toda vez que uma pessoa pisca, o encéfalo envia primeiramente uma mensagem aos músculos das pálpebras. Todas as emoções – medo, ira, ódio, amor – têm início no encéfalo. A parte mais importante do encéfalo humano é o cérebro. O encéfalo armazena informações de experiências passadas. Eis por que se pode aprender, recordar, pensar. O encéfalo seleciona e combina mensagens dos sentidos com lembranças e emoções para formar os diversos pensamentos e reações do homem. As pessoas podem falar, resolver problemas difíceis e produzir idéias criadoras por causa do surpreendente desenvolvimento do encéfalo humano. O encéfalo de um bebê de dois a três meses pesa pouco menos de 0,5 kg, ou cerca de 1/10 do peso do seu corpo. Novas células continuam a formar-se no encéfalo até a criança completar um ou dois anos de idade. Mas o encéfalo continua a aumentar de tamanho até a idade de cerca de 15 anos. O encéfalo do adulto pesa aproximadamente 1,4 kg. A inteligência de uma pessoa não depende do peso médio e um retardado mental pode ter um encéfalo muito pesado. O encéfalo humano é mais desenvolvido que o de qualquer outro animal. O encéfalo de um elefante pesa mais que o de um homem, mas é muito mais leve se comparado com o peso do corpo do elefante. O peso de um homem é 40 a 50 vezes maior que o de seu encéfalo. O peso do corpo de um elefante é 500 a 600 vezes maior que o de seu encéfalo.

Composição do Encéfalo

O encéfalo é uma grande expansão do sistema nervoso na parte superior – ou anterior, no caso de outros animais – da medula espinhal. É composto principalmente de neurônios, ou células nervosas; células gliais, ou células de sustentação; e vasos sangüíneos. As células nervosas desempenham as funções do encéfalo, mas constituem apenas uma pequena parte de seu peso. As células gliais formam uma estrutura que sustenta os nervos. Uma densa rede de pequenos vasos sangüíneos alimenta o encéfalo. Cada um dos bulhões de diminutos neurônios é formado de um corpo celular e de certo número de fibras. Essas fibras fazem a conexão do corpo celular com os corpos de outras células. Um neurônio tem em uma de suas extremidades dendritos , ou finas fibras ramificadas. Da outra extremidade, uma fibra única, chamada axônio , sai do corpo celular. Os dendritos e o corpo celular recebem impulsos de outras células nervosas. A célula envia seus impulsos por intermédio do axônio.

Massa Cinzenta e Massa Branca

Os corpos das células nervosas e a rede de fibras que os cerca são chamados massa cinzenta . Os múltiplos feixes de axônios são chamados massa branca . A massa cinzenta forma a parte interna da medula espinal e sua extensão para o alto, na base do encéfalo, que se chama tronco encefálico . A massa branca envolve a massa cinzenta na medula espinal e no tronco encefálico. Nas partes superiores do encéfalo ocorre o contrário, a massa branca ocupa o centro envolvida pela massa cinzenta. As conexões entre as células na massa cinzenta permitem ao encéfalo interpretar os sinais que provêm dos órgãos dos sentidos, compará-los com as recordações, julgar seus valores e planejar uma ação adequada. As fibras da massa branca servem de linhas de comunicação entre as diferentes partes do encéfalo, e entre o encéfalo e a medula espinal.

Divisões do Encéfalo

O encéfalo não é um órgão único como o fígado. Compõe-se de muitas partes com funções especiais, embora todas interligadas. As mensagens enviadas ao encéfalo passam todas pelo tronco encefálico. Desse tronco, vão às diferentes partes do encéfalo, para processamento. Mensagens são expedidas em sentido contrário, através do tronco encefálico para controlar os músculos e glândulas do corpo. O próprio tronco encefálico também contém importantes sistemas de controle.

O encéfalo divide-se em três partes, principais: o prosencéfalo, o mesencéfalo e o rombencéfalo. Cada parte subdivide-se em muitas outras com funções especiais. O prosencéfalo (encéfalo anterior) compreende o cérebro e o diencéfalo , que se localizam na parte mais alta e dianteira do crânio. O rombencéfalo fica na parte posterior e mais baixa do crânio. Inclui a medula oblonga e o cerebelo . O mesencéfalo é a parte do tronco encefálico que fica entre a medula oblonga e o diencéfalo. Meninges (membranas protetoras) recobrem o encéfalo. Neste, existem ventrículos (cavidades) cheios de líquido.

O Cérebro é a parte maior e mais importante do encéfalo humano. Seu peso corresponde a cerca de 85% do peso total do encéfalo. O cérebro altamente desenvolvido do homem responde por sua inteligência. O cérebro tem certa semelhança com uma metade de noz descascada. Consiste de duas metades, os hemisférios direito e esquerdo. Cada metade é como se fosse a imagem da outra em um espelho. Os hemisférios são ligados entre si por um grande feixe de fibras, chamado corpo caloso bem como por conexões com sistemas ou feixes de nervos no tronco encefálico. O cérebro é recoberto pelo córtex cerebral uma fina camada de células nervosas com cerca de três a 4 mm de espessura. O córtex cerebral apresenta-se com dobras para dentro, que formam muitas fissuras. Esse pregueamento permite que a grande massa do córtex cerebral caiba no espaço limitado da caixa craniana. Abaixo do córtex fica a massa branca. Suas fibras nervosas ligam o córtex ao tronco encefálico, bem como servem de conexão entre áreas diferentes do córtex. Dentro da massa branca, profundamente situados, encontram-se grupos de células nervosas, os gânglios da base. Cada hemisfério do cérebro é dividido em cinco lobos. Os lobos frontal , temporal , parietal e occipital recebem esses nomes dos ossos do crânio que os recobrem. O quinto lobo, límbico , situa-se na parte mediana do cérebro, onde os hemisférios se defrontam. Os lobos são separados apenas por fissuras profundas no revestimento continuo do córtex. As fissuras mais importantes são a fissura central (fissura de Rolando) e a fissura lateral (fissura de Sílvio).

A área sensorimotora (sensitiva e motora) do córtex cerebral fica de cada lado da fissura central. É uma das partes mais importantes do cérebro. A faixa da área sensorimotora adiante da fissura central envia impulsos nervosos aos músculos usados para movimentos que requerem habilidade, tais como jogar uma bola ou tocar piano. Em cada hemisfério, a parte superior da área sensorimotora controla uma perna, a parte média controla um braço, e a parte inferior controla os músculos da face e a língua. A faixa do córtex cerebral detrás da fissura central recebe mensagens sensoriais (dos órgãos dos sentidos) de várias partes do corpo. Essas mensagens incluem o tato, a pressão e sensações de posição e movimento. As vias de entrada e saída da área sensorimotora cruzam-se no tronco encefálico e na medula espinal. Em razão desse cruzamento, a área sensorimotora do hemisfério direito controla os movimentos do lado esquerdo do corpo, e vice-versa. Na maioria das pessoas, o hemisfério esquerdo domina o hemisfério direito. Em conseqüência, a maioria das pessoas trabalham preferentemente com a mão direita. Uma pequena parte dos lobos temporais, logo abaixo da fissura central, recebe mensagens dos ouvidos. Os lobos occipitais recebem impulsos dos olhos, formam as imagens vistas pelo homem e dirigem os movimentos dos olhos. A área do sentido do gosto fica profundamente localizada na fissura lateral. As áreas do olfato estão abaixo dos lobos temporal e frontal, numa parte dos lobos límbicos. A maior parte do córtex cerebral está ligada a processos mentais complexos, tais como a memória, a fala, o pensamento. Os lobos temporais têm a ver com certas recordações. Os centros da fala localizam-se em partes dos lobos frontal, temporal e parietal de um hemisfério.

Outras Partes do Encéfalo

O Diencéfalo , que é outra parte do prosencéfalo, tem três divisões principais: o hipotálamo, o subtálamo e o tálamo. O hipotálamo controla funções importantes do corpo, tais como a temperatura, a fome e a sede. Também controla a hipófise , glândula localizada logo abaixo do encéfalo. O hipotálamo é a sede de emoções, tais como o medo e a ira. Atua com a porção do sistema reticular do mesencéfalo para manter o encéfalo desperto e alerta. O subtálamo contém muitas fibras que levam impulsos dos gânglios da base ao tálamo, e do tálamo ao hipotálamo. Na verdade, age como uma "encruzilhada" para os gânglios da base e desempenha importante papel na coordenação dos movimentos. O tálamo é principalmente um centro de distribuição que retransmite os impulsos sensoriais à superfície do cérebro e de uma a outra parte do encéfalo. Por exemplo, o tálamo transporta impulsos do cerebelo ao córtex cerebral. Contém igualmente uma parte do sistema reticular que ajuda a coordenar as mensagens sensoriais e a regular a atividade do encéfalo.

O Mesencéfalo liga o diencéfalo à medula oblonga. Nele existem centros que controlam movimentos dos olhos e de outras partes do corpo. Também contém uma parte importante do sistema reticular. Uma formação semelhante a um bulbo, chamada ponte , estende-se como uma faixa sob o mesencéfalo. Esse age como uma estação retransmissora entre o cérebro e o cerebelo.

A Medula Oblonga é uma extensão oval da medula espinal na parte posterior da cabeça. Principia na base do crânio, continua para cima e forma a parte inferior do tronco encefálico. Feixes de fibras nervosas que fazem conexão entre outras partes do encéfalo passam através da medula oblonga. Essa contém centros nervosos que controlam a deglutição, a respiração, os batimentos do coração, o fluxo do sangue, o tono muscular e a postura, e os movimentos do estômago e do intestino. Nela localizam-se igualmente centros ligados aos órgãos do equilíbrio, que se situam no ouvido. Uma importante rede de células nervosas, chamada sistema reticular , encontra-se entre os centros nervosos da medula oblonga. Essa rede estende-se para cima, até os níveis mais altos do tronco encefálico. O sistema reticular ajuda a manter o encéfalo alerta e a regular e coordenar muitas funções do encéfalo. Funde as informações provenientes do cerebelo e de outras partes do encéfalo e as que vêm dos órgãos dos sentidos. Fibras nervosas do sistema reticular descem à medula espinal para controlar a excitabilidade da medula espinal e a posição e a tensão dos músculos. Outras fibras do sistema reticular vão a todas as partes do encéfalo situadas acima do tronco encefálico. Certas fibras controlam a sensibilidade, ou estimulação, de órgãos dos sentidos, tais como os olhos e os ouvidos.

O Cerebelo regula a postura, o equilíbrio e o movimento. Recebe informações dos músculos e juntas, dos órgãos do equilíbrio, da pele e de outras fontes. Também chegam a ele impulsos que provêm dos olhos e dos ouvidos. O cerebelo controla a posição e os movimentos do corpo de acordo com o que se vê e se ouve. Trabalha automaticamente, como acontece com muitas áreas do encéfalo. Uma pessoa com uma lesão no cerebelo tem dificuldade em controlar os movimentos dos braços e das pernas. O cerebelo é formado por uma grande massa de feixes de células nervosas, compactamente arrumados em forma de folhas justapostas. Essas folhas resultam do pregueamento de seu córtex e são separadas por fissuras. O cerebelo cobre a parte posterior da medula oblonga. Os hemisférios cerebelares , ou seja, as metades direita e esquerda do cerebelo, estão unidos centralmente pelo vérmis , estrutura em forma de verme. As vias de comunicação nervosa ligam a metade direita do cerebelo com a metade esquerda do prosencéfalo e com o lado direito do corpo. As vias nervosas do lado esquerdo do cerebelo estão em conexão com o lado direito do prosencéfalo e com o lado esquerdo do corpo. O vérmis liga-se principalmente às partes do tronco encefálico que controlam o equilíbrio, a postura e a tensão muscular.

Membranas do Encéfalo

Três meninges, ou membranas protetoras, recobrem o encéfalo. A mais consistente, a dura-máter , fica em contato direto com o crânio. A dura-máter não se aprofunda nas depressões da superfície do encéfalo, mas separa os dois hemisférios um do outro, e também do cerebelo. Uma membrana mais fina, a aracnóide , localiza-se logo abaixo da dura-máter e é separada dela por uma fina camada de líquido cefalorraquidiano. A pia-máter adere diretamente ao encéfalo. Acompanha as dobras da superfície encefálica e contém vasos sangüíneos que levam o sangue ao córtex cerebral, e deste, de volta, ao coração.

Os Ventrículos e o Líquido Cefalorraquidiano

Na profundidade do encéfalo, acham-se quatro ventrículos cheios de líquido cefalorraquidiano , um líquido transparente. Os dois ventrículos laterais produzem a maior parte desse líquido. O terceiro ventrículo fica no diencéfalo. O quarto ventrículo fica logo abaixo do cerebelo. Através de pequenas aberturas, os ventrículos têm conexões entre si e com espaços cheios de líquido na coluna vertebral. O líquido espalha-se sobre a superfície do encéfalo e é absorvido pelo sangue. O bloqueio ao fluxo do líquido pode provocar o aumento de volume dos ventrículos, do que resulta hidrocefalia , ou "água no encéfalo". O líquido cefalorraquidiano protege o encéfalo contra o efeito de pancadas.

Ondas do Encéfalo

O encéfalo emite continuamente ondas elétricas. Para registrar essas ondas, os médicos põem fios em contato com o couro cabeludo. Estiletes com uma pena, movidos por um aparelho elétrico, registram as ondas em tiras de papel que se desbocam continuamente. Esse gráfico é chamado eletrencefalograma , ou E.E.G. O E.E.G. ajuda os médicos a diagnosticar certas doenças do encéfalo, inclusive a epilepsia e as lesões encefálicas causadas por traumatismo. As ondas do encéfalo tornam-se anormais quando o mesmo é lesado ou tem algum distúrbio funcional. Registros da atividade elétrica do encéfalo ajudam os cientistas a descobrir como esse funciona. O pesquisador coloca pequenos fios em contato com a superfície do encéfalo de animais de experimentação. Às vezes a ponta do fio é introduzida na massa encefálica. Os fios são ligados a amplificadores eletrônicos que intensificam os impulsos nervosos, os quais são de natureza elétrica, e a seguir os projetam em um osciloscópio ou em um alto-falante. Dessa forma, os pesquisadores acompanham a atividade elétrica e as linhas de comunicação no encéfalo, enquanto o animal está consciente, movimentando-se e aprendendo coisas. Utilizando fios de extremidades muito finas, chamados micrelétrodos , os cientistas podem estudar a atividade de uma célula do encéfalo, isoladamente.

Distúrbios do Encéfalo

Lesões do encéfalo podem resultar de traumatismo, tal como uma pancada na cabeça; de doenças como a sífilis; de defeitos de nascença. Uma lesão que destrói células do encéfalo é extremamente grave, porque tais células não se reconstituem. Pode-se recuperar parte da função porque outras células eventualmente encarregam-se do trabalho das que se perderam. O efeito de uma lesão encefálica depende mais da área afetada do que da causa da lesão. Da lesão no tronco encefálico pode resultar perda da consciência. Pode ocorrer até a morte por interferência com funções vitais do organismo. A lesão dos lobos occipitais causa cegueira. A lesão dos lobos frontais pode causar uma mudança na personalidade. Se apenas um dos lobos frontais é lesado, às vezes não se observa qualquer efeito. Mas no local pode desenvolver-se uma cicatriz que venha a irritar as células encefálicas que estão próximas. Essas células tornam-se eventualmente demasiado ativas. Essa atividade pode causar convulsões ou ataques epilépticos. Uma lesão numa região central de um hemisfério tem como resultado uma paralisia no lado oposto do corpo. De alguns casos de lesão encefálica decorrem deficiências mentais, tais como deficiência mental ou doença mental. Mas, com freqüência, nas doenças mentais, não se encontra lesão no tecido do encéfalo.

Doenças do Encéfalo

Um vaso sangüíneo que se rompa no encéfalo, ocasionando uma hemorragia cerebral ou a parada do fluxo do sangue provocada por um trombo (coágulo) e a que se chama trombose , podem lesar o encéfalo. Esse tipo de afecção, chamado apoplexia , é mais comum em pessoas idosas. Mas pode ocorrer em indivíduos jovens que tenham artérias com anomalias, eventualmente congênitas. Um tumor cerebral pode lesar o encéfalo. Os sinais da lesão aparecem gradualmente, dependendo da rapidez com que o tumor se desenvolve. Se o tumor não atingiu uma área demasiado grande do encéfalo, um neurocirurgião pode removê-lo e curar o paciente. Mas a parte do encéfalo extirpada não pode reconstituir-se. Às vezes ocorrem infecções ou abscessos no encéfalo. São tratado s por cirurgia ou por drenagem (escoamento do conteúdo por meio de uma sonda ou mecha) e pelo uso de sulfas, penicilina e outros antibióticos. Muitas outras doenças afetam o encéfalo. Algumas são doenças do próprio encéfalo; noutras, esse sofre conseqüências de doenças de outros órgãos do corpo, como, por exemplo, rins, coração, fígado, ou de diabetes ou carências vitamínicas. Doenças comuns, tais como o sarampo ou a caxumba, podem afetar o encéfalo. Algumas infecções por vírus atacam o encéfalo e produzem encefalite. A febre reumática , que afeta o coração, pode também ocasionar uma doença cerebral, a dança-de-são-guido .

Lesões Traumáticas do Encéfalo

Traumatismos na cabeça durante ou após o parto podem causar lesões no encéfalo. Nas fraturas do crânio, geralmente há traumatismo do encéfalo na parte situada junto ao osso. Quando a ferida se fecha, resta uma cicatriz no encéfalo. Uma concussão (pancada forte) na cabeça pode machucar o encéfalo. Um golpe de boxe que leve a nocaute pode acarretar perda temporária da função do encéfalo sem lesão permanente.

Defeitos de Nascença

Se ocorre algum problema com o desenvolvimento do encéfalo antes do parto, o bebê pode nascer com parte do encéfalo mal desenvolvida ou até ausente. O encéfalo de um bebê pode ser afetado antes do nascimento por uma doença da mãe, como sífilis, tuberculose, sarampo, ou por deficiências de nutrição. Nesses casos, o bebê pode nascer com certos defeitos do encéfalo, apresentando deficiência mental, cegueira ou paralisia.

Pesquisas Sobre o Encéfalo

Além de medir as ondas encefálicas, os cientistas usam vários métodos para conhecer o funcionamento do encéfalo. Extirpam diversas partes do encéfalo de animais e observam as conseqüências. Observam igualmente o comportamento de uma pessoa que teve removida parte do cérebro por causa de doença. Um dos principais métodos de pesquisa é a aplicação de uma corrente elétrica fraca à superfície do encéfalo ou no interior desse. Os fios podem ser ligados a partes do encéfalo de animais de experimentação. Se se faz passar uma corrente numa área de controle motor, observa-se um movimento particular, o que demonstra a função dessa parte do encéfalo. Quando o encéfalo humano é exposto durante uma operação, a estimulação elétrica pode revelar as áreas que causam sensações. Para operações no encéfalo, os cirurgiões podem usar um anestésico local, porque a superfície encefálica não tem em si mesma receptores da sensação de dor. O paciente mantém-se consciente e pode dizer o que sente, vê e ouve. Durante a cirurgia no encéfalo, o cirurgião pode colocar fios em vários pontos e aplicar uma corrente fraca. Quando os fios se acham em partes do lobo temporal, o paciente pode ter recordações de música ou de experiências vividas no passado. Isso demonstra que as áreas estimuladas se relacionam especialmente com a memória. Mas extensas áreas, particularmente no lobo frontal, não produzem resposta evidente quando estimuladas.

A maioria dos segredos sobre como funciona o encéfalo não foram ainda revelados. Mensagens em forma de impulsos nervosos podem ser fixadas em traçados elétricos, mas como são transformadas no que se sente ao tato, no que se vê, no que se ouve? Que sucede no encéfalo durante o aprendizado que deixa um vestígio permanente que volta à memória quando solicitado? Como o encéfalo forma símbolos, tais como palavras e fórmulas matemáticas, e os utiliza para resolver problemas complicados? Como o encéfalo faz julgamentos, toma decisões e planeja ações futuras? Não se conhecem ainda as respostas dessas perguntas.

O Encéfalo dos Animais

Todo vertebrado , ou animal com coluna vertebral, tem um ou outro tipo de encéfalo. Animais mais simples, tais como os vermes, os crustáceos e os insetos não têm encéfalos bem desenvolvidos. Apresentam grupos de células nervosas ligadas, chamados gânglios , que coordenam as diferentes partes de seus corpos. Os cientistas acreditam que o desenvolvimento do encéfalo no complexo órgão encontrado em animais superiores ocorreu durante o longo processo da evolução. A parte do cérebro que se desenvolveu mais recentemente é chamada neopálio , ou novo encéfalo. Só existe no homem, nos mamíferos e em alguns répteis.

Fonte: construtor.aprendebrasil.com.br

ENCÉFALO


clique para ampliar

O Encéfalo é um órgão que compõe o sistema nervoso, com a medula formam o que chamamos de sistema nervoso central, onde se localiza o cérebro e outras estruturas cranianas. O encéfalo é envolto pelas meninges – as menbranas que protegem contra traumas, e numa parte mais externa pelo crânio (osso da cabeça). Esse órgão é dividido em:

Telencéfalo ou Cérebro

O lugar onde são processadas as informações recebidas do sistema nervoso periférico (nervos e gânglios nervosos ou sensoriais). Ele é dividido em dois hemisférios, por sua vez os hemisférios são divididos por córtex cerebrais, nesses córtex cerebrais estão cada região específica para o processamento de cada atividade, como o olfato, a visão, paladar, raciocínio, memória, escrita, comando motor e outras atividades.

Diencéfalo (Tálamo e Hipotálamo)

O tálamo é a parte do diencéfalo em que se chama e retransmissora de implusos nervosos para o córtex cerebral , quando estes chegam no encéfalo (sistema nervoso central) ele encaminha cada tipo de estímulo para o local específico de processamento no córtex cerebral.

O hipotálamo é responsável por integração do sistema nervoso e endócrino, promovendo a ativação de diversas glândulas endócrinas. É uma estrutura que faz todo o balanço do que presisa ou não ser feita no organismo ou o chamado equilíbrio dinâmico (homeostase). Desempenha também importante papel no controle das emoções. Nele também é localizado a hipófise – glândula mestra, que coordena praticamente todas as funções do sistema endócrino, e é o hipotálamo que comanda a glândula mestra ou hipófise.

Tronco Encefálico

O tronco encefálico está localizado entre a medula e o diencéfalo e abaixo do cérebro.

Ele é subdividido em três porções:

O bulbo

É a porção inferior do tronco encefálico e põe em contato com o encéfalo com a medula espinhal (os dois principais componentes do sistema nervoso central).

A ponte

Fica localizada no centro, entre o bulbo e o mesencéfalo.

O mesencéfalo

O mesencéfalo é a parte mais cranial, mais próxima do diencéfalo.

Cerebelo

O cerebelo está situado na parte posterior do cérebro e participa dos ajustes dos movimentos, equilíbrio, postura e tônus muscular, pois ele faz uma espécie de avaliação se os movimentos pretendidos estão sendo realmente executados.

Fonte: www.saudetimes.com

ENCÉFALO

Encéfalo designa a parte do sistema nervoso central (sigla SNC) que se encontra alojado na caixa craniana.

É formado por:

Cérebro Diencéfalo Mesencéfalo Cerebelo Bulbo 
Encéfalo Humano

Evolução e Desenvolvimento do Encéfalo Quanto ao nível evolutivo, podemos distinguir as seguintes unidades cerebrais:

O cérebro primitivo ou arquencéfalo, unidade cerebral responsável pela auto-preservação e agressão, é formado pelas estruturas do tronco encefálico e cerebelo, pelo mais antigo núcleo da base, o globo pálido e pelos bulbos olfatórios. Corresponde ao cérebro dos répteis, também chamado complexo-R, pelo neurocientista Paul MacLean.

O cérebro intermediário, unidade cerebral responsável pelas emoções dos velhos mamíferos, é formado pelas estruturas do sistema límbico e corresponde ao cérebro dos mamíferos inferiores.

O cérebro superior ou cérebro racional, unidade cerebral responsável pelas tarefas intelectuais dos novos mamíferos, compreende a maior parte dos hemisférios cerebrais (formado por um tipo de córtex mais recente, denominado Neocórtex) e alguns grupos neuronais sub-corticais). É o cérebro dos mamíferos superiores, aí incluindo os primatas e consequentemente, o homem moderno Homo sapiens.

Essas 3 estruturas foram aparecendo, uma após a outra, durante o desenvolvimento do embrião e do feto (ontogenia), recapitulando, cronologicamente, a evolução (filogenia) das espécies, do réptil e até do Homo sapiens. No dizer de MacLean, elas são 3 computadores biológicos que embora interconectados, conservam cada um nas palavras do cientista, "suas próprias formas peculiares de inteligência, subjetividade, sentido de tempo e espaço, memória, motricidade e outras funções menos específicas."


clique para ampliar

Fonte: pt.wikipedia.org

ENCÉFALO

O Sistema Nervoso é uma complexa rede de células nervosas ligadas por circuitos neurais, distribuída por todo o corpo. Numa interacção perfeita com o sistema endócrino e imunológico, executa a maior parte das funções de regulação do organismo.

Distingue-se por uma parte nervosa central, formada pelo encéfalo e medula espinal.

Células Nervosas As células nervosas são as unidades estruturais do sistema nervoso. São caracterizadas por possuírem um corpo celular, numerosos prolongamentos (dentrites) e um axónio (prolongamento mais longo que as dentrites, revestido por uma bainha denominada neurilema).


clique para ampliar

As dentrites das células nervosas servem para estabelecer ligações com outras células, possibilitando a transmissão de impulsos electroquímicos – sinapses. Quanto maior o número de sinapses e quanto mais estimulado o encéfalo, mais ligações nervosas existirão e maior será a sua capacidade de crescer, transformar-se e funcionar.

Os recém-nascidos não possuem ligações nervosas, sobrevivendo graças ao bolbo raquidiano que coordena todas as funções vitais. O primeiro sinal de que foi criada uma ligação nervosa é quando o olhar da criança se fixa em algo. Com a aprendizagem de movimentos inicialmente através da imitação e, mais tarde por moto próprio, as ligações nervosas desenvolvem-se cada vez mais levando a criança a tentar fazer pequenos movimentos, como pegar em algo.

A complexidade das redes neurais depende e varia com a espécie, sendo a Humana a mais complexa, seguindo-se a dos restantes primatas.

O Encéfalo O encéfalo pode dividir-se em três porções: o encéfalo posterior, encéfalo anterior e o encéfalo médio. Do encéfalo posterior, fazem parte o bolbo raquidiano e o cerebelo. O encéfalo anterior integra o tálamo, o hipotálamo e o sistema límbico. O sistema activador reticular constitui o encéfalo médio.

Encéfalo Posterior Bolbo Raquidiano

O bolbo raquidiano é um pequeno órgão situado na cavidade occipital. Liga a medula espinal ao cerebelo e tem como funções o comando do ritmo cardíaco, respiração e pressão arterial. É também conhecido como cérebro primitivo.

Cerebelo 

O cerebelo localiza-se atrás do tronco cerebral. Constituído por dois lobos laterais unidos, controla o equilíbrio, a motricidade voluntária e a coordenação de movimentos, memorizando exercícios repetidos.

Encéfalo Anterior

TÁLAMO

O tálamo, localizado na zona central do cérebro, é constituído por uma substância cinzenta. Lá, chegam a maior parte das fibras visuais, auditivas e tácteis, retransmitidas de imediato para as respectivas áreas do córtex cerebral. É responsável pela regulação do sono e dos estados de alerta.

Hipotálamo 

É formado por núcleos. Encontra-se sob o tálamo e em ligação à hipófise. Regula a temperatura do corpo, a fome, sede, circulação sanguínea e sistema endócrino.

Sistema Límbico 

O sistema límbico é constituído pelo hipocampo, septo, amígdala e bolbo olfactivo e desempenha um papel importante nas emoções, motivações e no comportamento agressivo.

O hipocampo converte a informação da memória de trabalho em memória de longo prazo, através de impulsos eléctricos, durante o sono R.E.M. (Rapid Eyes Movement), para o que necessita de uma média de oito horas diárias de sono. A amígdala, relacionada com a memória emocional, faz a triagem de toda a informação decidindo qual a armazenar em memória de longo prazo. Para o seu bom funcionamento, é necessário o consumo mínimo de oito copos de água diários.

Encéfalo Médio

SISTEMA ACTIVADOR RETICULAR

Estende-se por todo o tronco cerebral desde o bolbo raquidiano ao tálamo. É formado por uma fina rede de nervos, cuja função é despertar diversas áreas do cérebro para que estas possam descodificar os impulsos eléctricos e atribuir a resposta correcta.3

Cérebro ou Telencéfalo 

Está dividido em dois hemisférios cerebrais bastante desenvolvidos. O hemisfério direito apreende os problemas no seu todo, não tem noção temporal, estando mais ligado ao domínio das artes (ritmo, espaço, sonhar acordado, …). O hemisfério esquerdo lida apenas com partes do problema, tem noção de tempo, lógica, números, palavras e listas. Os dois hemisférios cerebrais encontram-se ligados pelo corpo caloso. O cérebro acomoda biliões de neurónios na sua região superficial – o córtex cerebral. Este é formado a partir da união parcial da área telencefálica e dienfálica e reveste grande parte do centro medular. O cérebro possui uma grande superfície e por isso não se pode dizer que pertença a uma determinada área do encéfalo.

Medula Espinhal 
clique para ampliar

A medula espinal, ou espinal-medula, é protegida por um sistema de vértebras denominado coluna vertebral e formada por um cordão de nervos interligados, cujas funções são a condução de mensagens e a coordenação de actividades reflexas. Estas são impulsionadas por dois nervos – o sensorial e o motor.

Sistema Endócrino 
clique para ampliar

As hormonas influenciam quase todas as funções dos demais sistemas corporais e frequentemente o sistema endócrino interage com o sistema nervoso, formando mecanismos reguladores bastante precisos. O sistema nervoso fornece ao endócrino a informação sobre o meio externo, ao passo que o sistema endócrino regula a resposta interna do organismo a esta informação. Dessa forma, o sistema endócrino, juntamente com o sistema nervoso, actuam na coordenação e regulação das funções corporais.

Dá-se o nome de sistema endócrino ao conjunto de órgãos que apresentam como actividade característica a produção de secreções denominadas hormonas (é hormona uma substância que, produzida em pequenas dimensões produz grandes reacções), que são lançados na corrente sanguínea e irão actuar em outra parte do organismo, controlando ou auxiliando o controle da função. Os órgãos que têm sua função controlada e/ou regulada pelos hormonas são denominados órgãos-alvo.

Sistema Imunológico 

O sistema imunológico ou sistema imune é de grande eficiência no combate a microorganismos invasores, é responsável pela eliminação de células mortas, renovação de determinadas estruturas, rejeição de enxertos e memória imunológica. Também exclui células alteradas, que diariamente surgem no corpo, como resultado de mitoses incomuns. Essas células, se não forem destruídas, podem dar origem a neoplastia.

As células do sistema imune são muito organizadas; cada tipo de célula age de acordo com sua função.

Os recém-nascidos adquirem as suas primeiras defesas através do leite materno; quando é realizado o acto de beijar a pele do bebé, a progenitora retira os microorganismos e de imediato o seu organismo começa a produzir defesas que serão transmitidas à criança da próxima vez que lhe for administrado alimento.

Conclusão Os organismos animais são controlados pelo encéfalo e as informações enviadas por este são transmitidas para todo o corpo através de impulsos electroquímicos que se propagam nos nervos. Sistemas como o hormonal e endócrino auxiliam no controlo através de hormonas que actuam directamente em células-alvo.

Fonte: www.notapositiva.com





Eu achei - www.euachei.com.br - s139 consultoria